Blogueiros e ativistas digitais

earthGO Encontro Nacional de Blogueiros e Ativistas Digitais orientou o debate entorno ao tema #MenosÓdioMaisDemocracia; o crime de Mariana e o papel da mídia foi dialogado, e também os novos crimes ambientais. A blogosfera como novo território educacional e de ativismo social permitiu a eles a elaboração de pesquisas que foram apresentadas por professores, jornalistas, blogueiros. As narrativas da mídia analisadas mostra que o entorno midiático pode contribuir com a democratização da cultura e da educação. As forças políticas são muito importante para a democratização da comunicação e da educação>

http://www.tvt.org.br/eventos/encontro-nacional-blogueiros/

Y, …”nos permite retomar a proposta freiriana em nova territorialidade, mantendo, na esfera digital, o sentido mais profundo da ação educativa, que é o da solidariedade humana.” (Ped. da virtualidade, 2015)

 A cibercultura é a expressão da aspiração de construção de um laço social, que não seria fundado nem sobre links ter- ritoriais, nem sobre relações institucionais, nem sobre as relações de poder, mas sobre a reunião em torno de centros de interesses comuns, sobre o jogo, sobre o compartilhamento do saber, sobre a aprendizagem cooperativa, sobre processos abertos de colaboração. O apetite para as comunidades virtuais encontra um ideal de relação humana desterritorializada, transversal, livre. As comunidades virtuais são motores, os atores, a vida diversa e surpreendente do universal por contato. (LÉVY, 2010, p. 130)

Esse post foi publicado em Pedagogia da virtualidade. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Blogueiros e ativistas digitais

  1. . disse:

    A cibercultura é a expressão da aspiração de construção de um laço social, que não seria fundado nem sobre links territoriais, nem sobre relações institucionais, nem sobre as relações de poder, mas sobre a reunião em torno de centros de interesses comuns, sobre o jogo, sobre o compartilhamento do saber, sobre a aprendizagem cooperativa, sobre processos abertos de colaboração. O apetite para as comunidades virtuais encontra um ideal de relação humana desterritorializada, transversal, livre. As comunidades virtuais são motores, os atores, a vida diversa e surpreendente do universal por contato. (LÉVY, 2010, p. 130)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s