Círculo de Cultura Paulo Freire: “Arte, mídia e educação”

Maestro Manuel Moreno - UdG VirtualA primeira intervenção de hoje (30.09) foi “Aprender juntos” com o Mtro, Manuel Moreno Castañeda, Reitor da Universidade da Universidade Virtual de Guadalajara, México. A seguir foi a intervenção de Dimas Brasileiro Veras com o tema a “Rádio Universidade: “uma rádio a serviço da democratização da cultura”.

IMG_1787

Alexandre Romeiro

O Palhaço, com a linguagem própria trabalhou o conceito de círculo epistemológico o que propiciou a diversão e compressão do conceito por parte dos participantes.

IMG_1814

Luciano Nobre

Adriana Soeiro

Adriana Soeiro

IMG_1816

Marcos Antonio

As mini-oficinas de Prezi (Prof. Marcos Antonio), Moodle (Prof. Luciano Nobre)  e bullying (Adriana Soeiro)  introduziram os participantes no uso e compreensão desses softwares.

Na Galeria Mara Traba e na Biblioteca foram realizadas as mini-oficinas com enorme proveito para que lida com educação e pesquisa. Parabéns para os professores!

Esse post foi publicado em Pedagogia da virtualidade. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Círculo de Cultura Paulo Freire: “Arte, mídia e educação”

  1. Marisa Soares disse:

    Após assistir ao vídeo, destaco a estratégia da rádio universidade em seu contexto social e histórico, pois desenvolveu um bom alcance com seu público, porque o rádio era um meio de comunicação já difundido nos lares. Quando utilizado com a intencionalidade de ampliar os horizontes culturais, democratiza o acesso a conhecimentos e informação à população.
    Nessa linha de raciocínio, gostaria de traçar um paralelo com a experiência similar de Agustín Ferreiro na escola rural do Uruguai. Sua proposta foi simples e coerente, porque deixa claro que o isolamento da zona rural, não permite idealizações grandes, faz-se necessário, iniciar-se com pequenas conquistas para se chegar às grandes realizações. Sapiente de que o único acesso ao mundo rural era o correio, foram enviados materiais didáticos elaborados especificamente para seu contexto e renovados continuamente pelo Centro de Emissão.
    Foram enviadas atividades de aprendizagem propostas em estudos de Leitura, Geometria e Aritmética, Matemática, Ciências, Geografia etc. “En la Escuela Primaria, en la nuestra y, posiblemente en todos los países del mundo, la tendencia a la ocultación prospera porque hacemos mover el niño en un mundo que es incapaz de comprender; unas veces porque las técnicas no son correctas, otras porque el conocimiento es inaccesible para su mentalidad” (FERREIRO, 2010, p.277).
    Agustín Ferreiro transforma a prática didática de sua época, aplicando a participação ativa do aluno, por seu caráter construtivista de aprendizagem e pela interação ativa do aluno com seu meio. Constrói conhecimentos novos como resultados de suas experiências e interpretações (CABAJAL; BOCCARDO, 2010, p. 170). As influências de Ferreiro nos programas da escola rural são apresentadas em 1949, destaca-se dentre elas, o aumento significativo do ciclo escolar, ou seja, de 3 anos passou-se a ser 6 anos de estudos. Os estudos em Geografia que focavam as paisagens geográficas, começam a ser estudados com a abrangência dos aspectos físicos, humanos e econômicos.
    O Projeto sobre a Criação das Escolas das Granjas foi aprovado em 6 de dezembro de 1944 pelo Conselho Nacional de Ensino Primário e Normal. No decorrer do seu desenvolvimento havia 40 escolas Granjas em funcionamento com cursos pós escolares, sendo o objetivo dos cursos que, ao seu término, os egressos estejam aptos a desenvolverem autonomias pessoais e para suas famílias, sobre sua vida campesina. Os cursos eram ministrados por Engenheiro Agrônomo, professores das Ciências da Educação dos Institutos Normais, 40 estagiários em Agronomia, sob a orientação técnico-econômica do Ministério de Ganadaria e Agricultura. Toda a produção das escolas Granjas deve ser documentada, assim como o seu destino. Haverá uma porcentagem da venda de produtos, a ser dividida entre o diretor da escola, os professores, o prático Agrário, o peão e os alunos que tenham participado da produção (FERREIRO, 2010, p.301). Com o desenvolvimento das escolas Granjas que haviam iniciado em 40 unidades, dentro de dez anos já se somavam mais de mil unidades. Trouxeram a necessidade aos campesinos de recursos como eletricidade, rodovias, água potável, liceus. Como estratégia para lograr esses avanços, Ferreiro elenca três objetivos:
     1º A escola será o centro da zona rural e de seu desenvolvimento.
     2º A ampliação do serviço escolar, pela qual todo ser humano, habitante dessa zona rural, independentemente de sua idade ou condição social, será considerado aluno da escola.
     3º A partir da escola se obterá a quantidade e a qualidade dos produtos granjeiros, que se realizou no avanço da produção apiária e avícola. Sendo a escola a intermediária entre o produtor e o comprador, garantindo assim a melhor remuneração para os campesinos.
    As escolas contaram com o apoio técnico e especializado em diversificadas áreas como: apicultura, na produção de seda, em incubadoras, conhecimentos de costuras, produção de conservas e queijos etc. A perspectiva amplia-se em que esses alunos continuem seus estudos desenvolvendo contato com economia agrária, para que tenham condições de administrar seus créditos na área agrícola e, por conseguinte, o crescimento da zona rural e incentivos de políticas agrárias. “La tierra para quien que la sepa trabajar”.
    Seu projeto também influenciou numa mudança da realidade social, isto é, uma realidade que se realizava em certa desordem, pois a população foi formando colônias improvisadamente. Aos poucos as colônias ordenaram-se ao redor das escolas, em geral eram de cinco a dez hectares para cada família. Dirimindo, de certa forma o êxodo rural.
    O Uruguai desenvolve-se no pensamento político liberal, no qual a escola pública desempenha um papel de destaque, porque representa o modelo político da democracia liberal.
    A legislação social sancionou algumas medidas que afetaram as escolas indiretamente, isto é, a Lei das Associações Familiares e a Lei do Cooperativismo Agropecuário em 1941, a Lei da Jubilações Rurais e de Conselhos de Salários em 1943, o Estatuto do Trabalhador Rural em 1946. O movimento da Juventude Agrária de natureza privada, fundada em 1945, pela qual formaram-se as escolas rurais de clubes agrários juvenis. Todo esse contexto culmina-se com a lei de 1944, sancionada pelo Parlamento Nacional, pela qual se destina noventa mil pesos anuais para promover o ensino rural, essa verba foi posta à disposição do Conselho do Ensino Primário, ao final desse ano, Agustín Ferreiro, vice-presidente desse conselho, consegue a aprovação do projeto escolas das Granjas.
    Concluo essa inserção do exemplo de Ferreiro, sob o ponto de vista de que uma formação humana emancipatória e democrática precisa abranger desde o respeito aos valores e costumes locais, como as condições de vida e perspectivas de transformação social, cultural, econômica e política dessa população.

    REFERÊNCIAS
    CABAJAL, Nancy [et al], Agustín Ferreiro, Tradición y Vigencia de un Educador Uruguayo, Montevideo: Ediciones MELGA, 2010.
    FERREIRO, Agustín (2010) La enseñanza primaria en el medio rural. Montevideo: Ministerio de Relaciones Exteriores, CEIP, Consejo de Educación Técnico Profesional. 321 p. (Edición Homenaje, 29).

    Marisa

  2. Robson disse:

    Olha, gostei muito de ter participado com os colegas do Mestrado e Doutorado do Círculo de Cultura Paulo Freire: “Arte, mídia e educação”

    Nesta troca com os colegas alunos e professores , pude perceber as possibilidades para avançar com o estudo do tema EAD, Tecnologias Digitais aplicadas no contexto da EAD, Moocs, etc.
    Estou muito feliz mesmo. Penso que estou a encontrar caminhos para narrar em pesquisa aquilo me encanta nas possibilidades da EAD, somados aos conceitos de Freire e, também, da vossa abordagem de estudos e pesquisa na perspectiva da Pedagogia da Virtualidade.
    Hoje a contribuição do evento abriu janelas para este caminhar.
    Agora, preciso estar mais ativo, imerso nas práticas do Círculo de Cultura. E se for possível , contar com a autorização para respirar mais o ar da Pós com vocês.
    Muito obrigado mesmo !
    Sinto como se fora injetado às minhas ideias , uma dose gigante de alegria. Algo que pode ser explicado pela oportunidade de poder compartilhar ideias com tanta gente boa.

    Abs
    Robson

  3. Pingback: Círculo de Cultura Paulo Freire: “Arte, mídia e educação” | Pedagogia da Virtualidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s