Capitu: “Na tela e no ar”

Entrevista com Luiz Tatit.
Entrevistadora: Margarita Victoria Gomez
11 de fevereiro de 2014.

Capitu é uma canção popular brasileira cuja letra foi escrita por Luiz Tatit. Eu a tenho utilizado bastante, desde 2003, nas oficinas de formação de professores que buscam compreender os signos e as ‘coisas’ digitais do nosso tempo, compreender a rede e a educação que nela acontece.

Sem duvida o surgimento da internet trouxe mudanças para o âmbito da educação e tem-se tornado o mais popular artefato cultural com seus prós e contras. Como professores na área da educação somos o tempo todo desafiados por esse universo e foi curioso achar nessa canção elementos que nos permitiram nos aproximar do popular e dos signos da contemporaneidade.

A  primeira pergunta é: Como surgiu Capitu na sua criação e a relação com a internet?

LT. Como sempre, fiz antes a melodia. No momento de fazer a letra, me ocorreu a ideia de utilizar o esquema WWW PONTO COM que estava começando a se expandir entre os usuários da internet, apenas pela sonoridade recorrente da palavra dábliu. Logo me veio uma quase-rima com hábil, hábil, hábil e algumas formas paralelas como sábio, sábio ou ainda ócio, ócio – vício, vício etc. A partir desses elementos, passei a explorar a oposição entre real e virtual na relação entre duas pessoas, mas ainda não pensava na personagem Capitu. Cheguei a fazer o refrão com outro nome (já não me lembro qual) até que me ocorreu a personagem machadiana cuja traição foi sempre virtual. Daí refiz frases da letra reforçando as relações com o livro.

De que maneira a canção, como um universo semiótico, incorpora esse novo universo de signos e sentidos?

LT. Canção fala sempre do cotidiano. Quanto mais incorporamos esse mundo virtual das máquinas em nossa vida, mais teremos menções a esse universo. Hoje temos muito mais contato com i-pads, i-tunes e tablets do que com os bares e botecos dos nossos compositores do passado. É natural que haja automaticamente uma reformulação dos temas tratados.

Como ocorre ou como você entende o popular na relação canção e internet/universo virtual?

LT. “Popular”, na canção, tem três sentidos. O primeiro diz respeito ao caráter espontâneo das composições numa época em que a questão da autoria nem vinha ao caso. É o popular no sentido de folclórico. Nos países da Europa, ainda é esse o sentido de popular. São as canções sem autoria que serviam de base aos compositores eruditos. Aqui no Brasil, Villa-Lobos utilizou bastante essa produção “popular” para compor suas peças. A segunda acepção refere-se a presença da entoação da fala como matéria prima das composições. Ou seja, todos podem compor canções simplesmente porque falam, embora nem todos saibam estabilizar sua composições para que não se percam no linguajar do dia a dia. Todos os ouvintes reconhecem a melodia de sua própria fala nas canções que ouve e, por isso, se identificam com as obras.

Com a gravação dos discos e sua presença maciça nas rádios, aparece o terceiro sentido de popular que, mais tarde, reduziríamos para pop. Significa aquilo que é do conhecimento de todos. Quanto mais abrangente, mais popular. Acredito que essa acepção seja a mais marcante na relação entre canção e internet. Se o rádio difundia as canções para milhares de pessoas, a internet já começou sua trajetória dando acesso a milhões de internautas no Brasil e no mundo. Já se faz canção pensando nesse tipo de difusão, o que nos leva a certa saturação do mercado, aumentando significativamente a concorrência entre os artistas. Há mais artistas que ouvintes. Raro o jovem que já não tenha feito em casa o seu CD ou pelo menos algumas canções para soltá-las na internet. Do passado, só restou a esperança de que a música emplaque. Nesse ponto, as coisas pouco mudaram.

Capitu
Luiz Tatit

CD: O Meio
Gravadora: Dabliú
Ano: 2000

Clique para ouvir uma versão

De um lado vem você com seu jeitinho
Hábil, hábil, hábil
E pronto!
Me conquista com seu dom

De outro esse seu site petulante
WWW Ponto Poderosa ponto com

É esse o seu modo de ser ambíguo
Sábio, sábio
E todo encanto
Canto, canto
Raposa e sereia da terra e do mar
Na tela e no ar
Você é virtualmente amada amante
Você real é ainda mais tocante
Não há quem não se encante

Um método de agir que é tão astuto
Com jeitinho alcança tudo, tudo, tudo
É só se entregar, é não resistir, é capitular

Capitu
A ressaca dos mares
A sereia do sul
Captando os olhares
Nosso totem tabu
A mulher em milhares
Capitu

No site o seu poder provoca o ócio, o ócio
Um passo para o vício, o vício
É só navegar, é só te seguir, e então naufragar

Capitu
Feminino com arte
A traição atraente
Um capítulo à parte
Quase vírus ardente
Imperando no site
Capitu

Esse post foi publicado em Educação em rede uma visão emancipadora, Educação popular, Pedagogia da virtualidade. Bookmark o link permanente.

18 respostas para Capitu: “Na tela e no ar”

  1. regisvan disse:

    Adorei a entrevista e a fala sobre as concepções de popular… muito bom! Acompanho o trabalho do Luiz Tatit e sempre gostei muito.
    Parabéns pela canção, muito interessante a letra.

    • marvi disse:

      Concordo com Regisvan, além de nos aproximar do universo da canção popular brasileira nos aproxima através dos signos do nosso tempo, a internet. Ainda, no último encontro da disciplina “Pensamento pedagógico latino-americano” discutiamos a necessidade que o pensamento científico tem do popular para este ser possível.

      abraço,
      Marvi

  2. Juan Alberto disse:

    Excelente la entrevista y la canción Capitu relacionada. Estuvimos viendo el blog, y está muy interesante. Son temas que nos tocan muy de cerca, a pesar que aquí en Argentina falta mucho por crecer con respecto a las TIC. Nosotros con Eli estamos haciendo un Pos titulo en Educa. Superior y TICs a distancia, utilizando las redes y campus virtuales para luego implementarlos dentro de las instituciones educativas, en particular en la modalidad especial. Decidimos formarnos ya que nuestra institución cuenta con el Programa Conectar Igualdad donde repartieron las computadoras a alumnos y docentes, pero sin formación previa para la implementación de las mismas.

    • Marvi disse:

      Juan Alberto, creo que en ese sentido y en ese contexto de formación es adecuado introducir técnicas de arte – educación a travéz de la canción, con una melodia que nos conecte a la igualdad y también a las diferencias. Un abrazo, Marvi.

      • Juan Alberto disse:

        Gracias Marvi por tus aportes. Ya que sería de mucha ayuda introducir esas áreas, Arte y Música de manera ensamblada a través de las netbooks, aplicada y adaptadas a la modalidad. Abrazos, Juan Alberto

  3. Sil disse:

    o feminino impondo-se também na forma de internet!

  4. Luciana disse:

    Boa a relação com o pensamento popular, pois é fundante e possivelmente contem os elementos gerais do pensamento humano(segundo Kusch).

  5. Emillyn disse:

    Muito interessante uma Capitu moderna, hoje é fácil acreditar que nossos personagens mais clássicos fariam parte dessa onda tecnológica que domina nosso planeta! Outro ponto interessante da entrevista é a questão da difusão do acesso à música por meio da internet, e o surgimento explosivo de novos artistas.

  6. sylvia paula de almeida torres vilhena disse:

    Olá

    Foi muito interessante ler a entrevista e ouvir a música. Não só nos leva a refletir melhor, como também nos causa prazer. Parabéns pela articulação vida, conhecimento e arte num só momento

  7. Ricardo Romo Torres disse:

    No cabe duda de que la canción “Capitu”, de la autoría de Luiz Tatit, se inscribe en la tradición poética-pedagógica brasileña que abarca desde una “Canción para los fonemas de la alegría” de Thiago de Melo hasta “Canción obvia” de Paulo Freire, pero también en la línea epistemológica-didáctica trazada por Hugo Assman en su libro Metaforas novas para reencantar a educação. La novedad de “Capitu”, es que se coloca en el contexto de los recursos digitales pruducidos en nuestra contemporaneidad.

    Me impresiona gratamente leer, en el marco de la entrevista realizada por Margarita Gómez, que Tatit refiera que la melodía fue un paso previo a la letra. Esa convicción sostenida por él, tiene paralelo con la afirmación de que “en la música está el origen de todas las cosas”. De la misma forma me llama la atención el sentido nuevo conferido a lo popular en el marco de la relación entre canción e internet, la cual es también un anudamiento entre tecnología y lo elementalmente humano presente en la música y la poesía.

  8. marvi2012 disse:

    Ricardo, estimado sociólogo, poeta e epistemólogo mexicano, é um prazer ler o seu comentário. A sensibilidade para compreender e colocar em palavras temas de época tem sido também a sua característica. Gostei muito de você convidar Thiago de Melo, Hugo Assman e Paulo Freire para integrar este ‘coro polifónico’ que Luiz Tatit nos abre como ‘um abanico de sensibilidades’. Obrigada! Margarita.

  9. Alexandre disse:

    Muito sábio a aproximação da obra literária com a atualidade da internet, dessa maneira podemos revisitar obras e rever os personagens de outras formas.

    • Marvi disse:

      Luiz Tatit e Antonio Candido são dois brasileiros que tem-se destacado por aproximar a arte á historia da cultura brasileira. A minha sugestão: conhecer a obra de Luiz Tatit e de Antonio Candido, vale a pena dar um mergulho na nossa realidade com esses autores. Um abraco, Margarita

  10. celiaguazzelli disse:

    São os nossos poetas se aproximando do mundo tecnológico, Assim também se referiu o cantor Gilberto Gil, na música “Pela Internet”. Aí vai um trechinho: “…Que veleje nesse infomar…Que aproveite a vazante da infomaré…Que leve um oriki do meu velho orixá…Ao porto de um disquete de um micro em Taipé…”

  11. teledesigner disse:

    Linda canção popular que nos remete a contemporaneidade. Ouvir e ler um poema que tem como figura principal um personagem da literatura brasileira, através de outra tecnologia que não seja o livro é muito interessante.
    É ver o “velho” andando com o “novo”, é um desafio para todos compreenderem esses signos e recriar!!!

    • Marvi disse:

      O cérebro eletrônico faz tudo……
      ……….
      Sei que a arte é irmã da ciência ambas filhas de um deus fugaz.-Gilberto Gil

  12. Marcos Antonio disse:

    Prezados(as),
    Muito proveitoso culturalmente ouvir a música e ler a entrevista. A tecnologia em suas diversas nuances vem a cada dia fazendo parte como uma das principais aliadas do ensino, pesquisa e extensão. Lembrando que grande parte das ideias geniais que permeiam as mentes brilhantes do planeta, surgiram no âmbito da cultura popular. Viva a cultura,o pensamento e a curiosidade popular.
    Atenciosamente,
    Marcos Antonio

  13. vima disse:

    Marcos Antônio, é interessante perceber que a música, a canção, a entrevista, a tecnologia, a pesquisa, as ideias, a cultura e a curiosidade são femininas, parece que estamos diante de um giro cultural sem precedentes! saudações femininas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s