Universidade aberta – Open University – Universidad Abierta

Margarita Victoria Gomez

A comunidade virtual torna-se fonte de conhecimento, critica e criatividade mantendo-se animada com a ação positiva das pessoas interconectadas. Expressar ideias, conectar projetos e potenciar recursos implica, além da participação, a interação das universidades com as suas particulares comunidades de conhecimento que estão animado a inteligência e a sensibilidade coletivas.

O termo comunidade virtual apareceu em um artigo de 1987 escrito por Howard Rheingold para A The Whole Earth Review (Enc.Brit., 2013), confirmado na sua obra A Comunidade Virtual (1993).

A universidade aberta virtual busca expandir e democratizar a educação superior ao alcançar a maior quantidade de pessoas com interesse de estudar. O conceito de universidade virtual emerge no âmbito da revolução industrial (Newman, 1902). Especificamente, a universidade virtual aberta se resignifica na economia do conhecimento e do capitalismo informacional (Levy, 1998,  Unesco, 1998 e 2006, Castells, 2005) respondendo em parte ao uso intensivo da internet para dar suporte às universidades existentes ou novas que se desterritorializam no ciberespaço.

A Universidade Aberta é uma instituição e uma modalidade de educação que organiza a oferta do ensino superior com a finalidade de expandir o acesso para todas as pessoas interessadas, especialmente o setores menos favorecidos pelas politicas públicas. A Open University do Reino Unido (1969) foi a primeira universidade mundial com a finalidade única de oferecer educação superior aberta, na modalidade a distância, para a classe trabalhadora. A educação aberta a distância é legitimada social e historicamente ao atender pessoas com dificuldades para assistir aulas presenciais ou àquelas que não tiveram ou lhe negaram a possibilidade de acesso á educação superior.

Aberta á heterogeneidade, á diversidade de pensamento, a outras temáticas e metodologias, a universidade aberta caracteriza-se por promover a possibilidade de estudo universitário para pessoas provenientes de qualquer classe social, em qualquer local, utilizando-se intensivamente de sistemas didáticos impressos, audiovisuais e telemáticos, individualizados ou grupais. Esta modalidade de educação exige autonomia e autodisciplina do estudante que busca conhecimento e quer um diploma. Os estudantes a procuram para atingir uma titulação similar á que seria obtida nas universidades tracionais e/ou para atingir formações especificas que lhe permitam ingressar ou manter-se no mercado professional.

Desenvolvida com diversos procedimentos didático- pedagógicos, a universidade aberta surge de um movimento mundial, industrialista, ocorrido na década dos anos sessenta e setenta. Na sua proposta pedagógica, considera-se a elaboração de material didático em texto impresso, em audio, em vídeo, em vídeo-aulas, em programas e transmissões radiofônicas e da internet. A correspondência tradicional, as ondas do radio, as vídeo-aulas, a televisão, também são empregados nos cursos regulares ou pontuais, nos seminários e nos cursos on-line, entre outros. Hoje, com o movimento Budapest Open Access Initiative e o Creative Commons, se abre também a outros modos de pensar, fazer e difundir a ciência.

A avaliação da educação aberta atende à proposta pedagógica e metodológica adotada pela universidade e é até agora é supervisionada pelas instancias governamentais de ensino.

As universidades abertas públicas ou privadas respondem a uma legislação nacional, a um projeto pedagógico e metodológico especifico e observam as orientações de organismos nacionais e internacionais.

Com finalidade única ou com finalidade dupla, (presencial-virtual) a universidade virtual é um desafio para o mundo acadêmico atual que se preocupa com o ensino, a pesquisa e a extensão/difusão do conhecimento. Numa perspectiva critica a universidade aberta considera todos os saberes das pessoas, independentemente dos lugares de sua elaboração e enunciação. Seria uma universidade que se sustenta na colaboração global buscando a cooperação e a interconexão entre docentes, aluno, sistemas e e outros interlocutores pedagógicos. Existe em mim certa tendência de buscar nos princípios da educação popular e da educação em rede a sua sustentação pedagógica.

 Referências
BUDAPEST Open Access Initiative. Disponível em: http://www.opensocietyfoundations.org/openaccess
CASTELLS, M. A sociedade em rede. Tradução Roneide Venâncio Majer, 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.
CREATIVE Commons, Brasil. Disponível em: http://creativecommons.org.br/
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido, 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra,1987.[1.ed.1970]
GOMEZ, M. V. Educación a distancia y cátedras libres: reflexionando sobre emergentes en el contexto de la educación latinoamericana. In. Torres, C.A. (org.) Paulo Freire y la agenda de la educación latinoamericana en el siglo XXI. Buenos Aires: CLACSO, 2000. Disponível em: http://www.clacso.org/wwwclacso/ espanol/ html/libros/torres/torres.html  Acesso 12 dez 2012.
GOMEZ, M.V. Educação em rede. São Paulo: Cortez/IFP, 2004.
LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática, Carlos Irineu da Costa (trad.), Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.
OILO, Didier. Do tradicional ao virtual: As novas tecnologias da informação. Paris: Ed-98. Doc. Unesco,1998. [versão em espanhol]
OPEN University. Disponível em http://www.open.ac.uk/ Acesso em 28 dez.2012.
ROYAL Society Science Policy Centre. Science as an open enterprise. report 02/12. Issued: June 2012 DES24782. Disponível em: http://royalsociety.org/policy/projects/science-public-enterprise/report/
UNESCO, Virtual university. 2006.

Esse post foi publicado em Educação em rede uma visão emancipadora, Educational Networking. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Universidade aberta – Open University – Universidad Abierta

  1. Maria Joseneide Apolinario disse:

    Olá a todos,
    Importa destacar ainda que o perfil do aluno da universidade aberta virtual, é de quem sabe a importância do curso que procura fazer. Quer seja para sua vida pessoal ou profissional. É um aluno comprometido com o aprendizado, disciplinado, pontual nos seus estudos, autônomo e responsável com seus estudos.
    Sou apaixonada pela universidade aberta virtual. Fiz o curso de Administração pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) à distância, através da Universidade Aberta do Brasil no polo de Ilicínea, Sul de Minas. Distante dos grandes centros como Belo Horizonte ou São Paulo, Ilicícea implantou em seu município, a Universidade Aberta do Brasil e leva para sua população, cursos de boa qualidade em convênio com as Universidades Federais e os Centros Técnicos de Formação. É uma grande oportunidade para as pessoas permanecerem em seu local de nascimento, e ter uma educação de qualidade ao seu acesso. Ainda dois curso que gostaria de destacar são o curso de Especialização em Tecnologias em Educação (latu senso) oferecido pela PUC/RIO, o qual tive a felicidade de participar em 2010; e o Curso PRADIME para dirigentes municipais de educação oferecido pela Universidade Federal de São Carlos, que participei como aluna em 2012.
    São cursos como esses que nos ensinam que o conhecimento está acessível a todos, basta saber procurar, selecionar as informações, usa-las para a formação e para a construção de uma educação de qualidade na pedagogia da virtualidade, onde o respeito ao outro, a ética, e o aprender em comunhão se fazem necessários.
    Margarita, essa sua tendência de buscar nos princípios da educação popular e da educação em rede a sua sustentação pedagógica é fascinante. Como temos aprendido com suas pesquisas, com seus ensinamentos!!! Continue dando a sua contribuição para uma educação que acontece na virtualidade com conectividade.
    Abraços,
    Maria Joseneide

    • Margarita Victoria disse:

      Maria Joseneide, em um dos encontros da disciplina do semestre anterior, vocês especificaram os princípios e as dimensões da educação em rede e da pedagogia da virtualidade de maneira bastante clara. Quando escuto os comentários positivos confirmo a minha idéia pois eles parecem importantes porque colocam em pauta a pertinência da mediação, do desenho participativo e do sujeito como aspectos a serem considerados no projeto pedagógico, além das questões metodológicas e da avaliação, Conforme Romo et.al, esta pedagogia “está apoiada na apropriação tecnológica em razão dos princípios da educação popular [rizomatica], que objetiva o encaminhamento para a conformação de uma sociedade [educação] aberta e democrática que, por sua vez, deve sustentar-se na ética e na vontade política dos sujeitos.”
      Obrigada, a sua presença é valiosa para continuar a caminhada produtiva em rede.

      Um abraço,
      Margarita

  2. Carolina disse:

    Cinema em sala de aula?
    Os alunos podem escolher?
    Aguardam- me!

  3. Pingback: Educação aberta em debate_OUI |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s