Paulo Freire: a criatividade e o gosto da aventura do espírito.

paulo freire“A pedagogia que me toca é a pedagogia que escuta, provoca e vive a difícil experiência da liberdade, reconhecendo que há uma distorção, o autoritarismo. Minha opção é por uma pedagogia livre para a liberdade, brigando contra a concepção autoritária de Estado, de sociedade… Há um sinal dos tempos, entre outros, que me assusta: a insistência com que, em nome da democracia, da liberdade e da eficácia, se vem asfixiando a própria liberdade e, por extensão a criatividade e o gosto da aventura do espírito. ”

Paulo Freire – 19 de setembro de 1921- 2 de maio de 1997.

Publicado em Pedagogia da virtualidade | Deixe um comentário

Nice, México, Paris, Síria, Brasil…o planeta Terra continua de luto.

Esta galeria contém 1 foto.

Mariana, Brumadinho… Fonte: site Mulheres que Correm com os Lobos.

Galeria | Deixe um comentário

Bem-vindo(a)!

O propósito deste Blog é vivenciar, experienciar a rede como caminho para a aprendizagem, é gerar um espaço de sensibilização, opiniões, discussão e compartilhamento de textos vinculados aos desafios do educar na contemporaneidade. Considerando as alterações no próprio grupo e … Continuar lendo

Galeria | Deixe um comentário

Educación a distancia como acto de solidaridad

people-on-a-video-call-4226262

pexel-people on a video call

Después de 104 días de cuarentena en São Paulo, enfrentando tiempos difíciles, nos deparamos pensando sobre: lo que implica una buena conexión para mantener la rutina de quedarse en casa para trabajar o estudiar; el acceso a Internet como un derecho humano básico, y en los más vulnerables con dificultades para cuidarse del nuevo coronavirus, del síndrome respiratorio agudo severo (SARS-CoV-2).

Indudablemente, mantener el servicio de internet, wifi, disponer de dispositivos celulares, TV o computadoras en red para hacer las ‘Lives’, o sea, las conversaciones en vivo con la familia, amigos, colegas, o con grupos de trabajo, implica un cierto capital para pagar por el servicio de internet y por los dispositivos adecuados para el acceso a google meet, zoom, jit.si, entre otros. Cada vez más, nos vemos entrando en plataformas virtuales y redes sociales durante la cuarentena porque dan soporte a la vida social, como un modo de extrapolar el espacio doméstico que restringe nuestros movimientos.

En tiempo de pandemia vivenciamos la mayor migración humana ya conocida por nosotros, la migración para el ciberespacio.Y ese tema que ya fue pauta de anteriores reflexiones nos interpela especialmente en el ámbito de la educación con uso de las tecnologías.

En Brasil, un país continental, con 210.147.125 millones de habitantes, se estima, según la encuesta TIC Domicilios 2019, del Comité Gestor de la Internet (CGI.br), que los usuarios de internet llegaron a 134 millones, o sea, 74% de la populación con mas de 10 anos de edad tenía acceso a la red, también 71% de los domicilios tenían acceso a internet. Ese porcentaje ampliado, considerando las personas que no se reconocen como internautas porque sólo envían mensajes, sube para 79%. Las poblaciones de áreas urbanas como rurales son alcanzadas, si bien las poblaciones pobres, rurales y del nordeste, por ejemplo, siguen distantes de las clases A e B, que representan 95%, y que disponen de buena conexión para el acceso a recursos digitalizados, ya sean archivos pdf, videos, filmes o música.

El celular es el principal dispositivo para acceder a internet (99%), especialmente, por parte de las clases pobres, negros y pardos. Y, también, se percibe mayor uso de TV y disminución del uso de la computadora personal. Aunque, la encuesta del Comité Gestor de Internet de Brasil es anterior a la pandemia ya se percibía el aumento de compras, de consultas y búsqueda de informaciones en internet.

Según la encuesta Tic Educación 2019 del CGI.br, solo el 28 % de las escuelas de áreas urbanas contaban con un ambiente o plataforma de aprendizaje para la educación a distancia (14% de escuelas públicas y 64% de escuelas particulares urbanas).[1] Del conjunto de estos datos se destaca que 39% de los alumnos de escuelas públicas no poseen cualquier tipo de dispositivos para conectarse y realizar las actividades escolares.

A las personas más vulnerables, el estado intenta facilitar el acceso libre a internet o la subvención de paquetes de datos móviles, durante la pandemia, lo que no es suficiente para una buena continuidad del aprendizaje. Y aquí llámanos la atención para las condiciones adecuadas para el acceso a Internet como un derecho humano básico universal. Por Resolución de la Organización de las Naciones Unidas (ONU) “promover el acceso universal a Internet” es considerado uno de los derechos humanos fundamentales. La resolución de la ONU implica la protección de las personas en ese espacio virtual. (2016)[2] . Y, a esto se suma el apelo a los estados por parte de la Agenda 2030 para el desarrollo sostenible, para no dificultar el acceso a internet, até 2020, pues contribuye para eso.

Con la migración ciberespacial, las personas en situación de refugio han sido especialmente afectadas. Quien consiguió mantenerse o hacer uso de algún paquete –personal o subvencionado – de datos móviles participa de transmisiones al vivo y acompaña la educación básica y universitaria de manera remota.

Según el Informe Tendencias globales de desplazamiento forzado en 2019 (ACNUR), 1% de la población mundial tuvo que huir de su lugar de residencia por diferentes conflictos, persecución, grave y generalizada violación de los derechos humanos. Hasta a finales de 2019 había 79.5 millones de personas desplazadas a la fuerza en el mundo, de los cuales 29,6 millones son refugiadas y personas desplazadas de su país, como los apátridas a los que se les niega el derecho básico de una nacionalidad, una identidad, documentación, asistencia sanitaria, o movilidad, entre otras cuestiones.

También hay 45,7 millones personas buscado refugio en su propio país. Más de la mitad del total de las personas desplazadas son menores de 18 años. Y, casi 4.2 millones personas adicionales estaban esperando el resultado de los casos de pedido de asilo.[3]

En ese contexto, hay que considerar que, a finales de 2019, 4,5 millones de personas salieron de Venezuela, el mayor éxodo de la región en la historia reciente y una de las mayores crisis de desplazamiento del mundo. La mayoría de los venezolanos buscó refugio en América Latina o en el Caribe. Se estima, según informes del Comité Nacional para los Refugiados – CONARE- vinculado al Ministerio de Justicia y Seguridad Pública, que en la actualidad viven en Brasil aproximadamente 43 mil refugiados de los cuales 88% son venezolanos.

En ese panorama de desplazamientos y declive de derechos, reafirmamos que la educación es fundamental para la ciudadanía y la transformación social. Pero, en realidad, se observa que solamente el 63% de los niños refugiados en el mundo están matriculados en la educación básica y 24% de los adolescentes en la enseñanza media. Y, según el Informe de ACNUR, se reconoce que 36% de la población mundial tiene educación superior, y entre los refugiados, solamente el 3%. Los datos sobre los que efectivamente permanecen, egresan y actúan en sus áreas de formación, todavía no los tenemos.

En el caso específico de los refugiados venezolanos, 77% no asisten a las clases de educación básica; 75% viven en ocupaciones espontaneas; 66% se sienten discriminados por su condición de refugiados; 33% no vive con ninguno de sus progenitores y 25% tiene poca comida en casa. Según estos datos, publicados el 20 de junio de 2020, día del refugiado, por la organización no gubernamental Visión Mundial, hay poco para celebrar y mucho por lo que seguir trabajando.

Es evidente, que la mayoría de las personas en situación de refugio y otros vulnerables siguen expuestos como cuerpos desnudos, como “vida sacra”, al decir del filosofo italiano Giorgio Agamben (2015), aquellos cuerpos con una vida que “cesa de ser políticamente relevante”, y como tal pueden ser impunemente eliminados.

El carácter político de esa presencia, velada o no, está en disputa. Y eso se ve en las medidas excepcionales que se están tomando para tornar normal el proceso educativo y migratorio de emergencia, especialmente si pensamos esta problemática desde la educación que trabaja por la emancipación de las personas.

Así, la vida social y la educación interrumpidas favorecen el declive de los derechos básicos conseguidos y el empobrecimiento de las personas.
De todas maneras reforzamos la necesidad de seguir cuidando de 1.500 billones de niños, jóvenes y adultos que para usufructuar del ciberespacio, necesitan del acceso a la conexión, a plataformas digitales, a materiales digitalizados para el aprendizaje remoto o la educación a distancia de emergencia, como se ha dado en llamar a lo que se esta realizando.

La Unesco, responsable por cuidar de la educación, lanzó una alianza global, en marzo de 2020, para enfrentar la interrupción educativa, con sus socios públicos y privados, en búsqueda de soluciones innovadoras de educación a distancia. Para eso, la Unesco propone el uso de una amplia gama de alta tecnología, de baja tecnología o sin tecnología, lo que puede contribuir bastante, si no se amarra a intereses corporativistas.

Otros organismos internacionales, como Acnur, continúan articulando actividades con las universidades referenciadas y publicando material académico o de orientación, y subvencionando una institución para facilitar la revalidación de diplomas, que desde 2016 ya revalidó 57 diplomas.

La educación como derecho internacional de las personas continúa en disputa. Es momento de aprovechar los más diversos dispositivos digitales para el acceso abierto y para asegurar la permanencia de los estudiantes. La inclusión de la diversidad y de la pluralidad, así como los recursos de aprendizaje digitales, abren nuevas territorialidades educativas virtuales, también con las experiencias de los migrantes y refugiados que movilizan perspectivas otras de aprendizaje.

La modalidad de educación híbrida para el aprendizaje pasará de ser un rótulo de emergencia para ser repensada a partir de prácticas concretas. Lo que es innegable es la relevancia de continuar  educando a través de la investigación, con el uso metodologías y de recursos digitales, tanto en la educación básica como en la educación superior.

Son temas complejos, delicados, y perspectivas nuevas van surgiendo, pero, es imprescindible la atención para estas problemáticas, reflejadas en la situación de las personas, en los datos de cetic.br, en el apelo de la ONU sobre el derecho universal de acceso a internet, en los números de ACNUR, y en la acción de escuelas y universidades, pues son cuestiones políticas y no personales. Estas, junto con otras acciones educativas realizadas durante la pandemia, con seguridad, podrán ser sistematizadas teniendo en vista  proponer una educación en red abierta más solidaria.

Margarita V Gomez , 7 jul 2020.

[1] Pesquisa TIC 2019. CGI.br – Cetic.br- NIC.br. https://cetic.br/pesquisa/domicilios//https://www.cetic.br/media/analises/tic_educacao_2019_coletiva_imprensa.
[2] https://computerhoy.com/noticias/internet/onu-declara-acceso-internet-como-derecho-humano-47674 (4 jul 2020)
[3] https://www.unhcr.org/news/latest/2020/6/5eea140f4/global-forced-displacement-vastly-widespread-2019.html (4 jul 2020)
Agamben, Giorgio. 2015. Estado de exceção: [Homo Sacer, II, I]. Coleção Estado de Sítio. São Paulo: Boitempo.

=El texto completo fue presentado a través de audio en el Programa MigraEducas de la WebRadio Migrantes/SP.

Nota | Publicado em por | Deixe um comentário

Universidade aberta – Open University – Universidad Abierta

Margarita Victoria Gomez

A comunidade virtual torna-se fonte de conhecimento, critica e criatividade mantendo-se animada com a ação positiva das pessoas interconectadas. Expressar ideias, conectar projetos e potenciar recursos implica, além da participação, a interação das universidades com as suas particulares comunidades de conhecimento que estão animado a inteligência e a sensibilidade coletivas.

O termo comunidade virtual apareceu em um artigo de 1987 escrito por Howard Rheingold para A The Whole Earth Review (Enc.Brit., 2013), confirmado na sua obra A Comunidade Virtual (1993).

A universidade aberta virtual busca expandir e democratizar a educação superior ao alcançar a maior quantidade de pessoas com interesse de estudar. O conceito de universidade virtual emerge no âmbito da revolução industrial (Newman, 1902). Especificamente, a universidade virtual aberta se resignifica na economia do conhecimento e do capitalismo informacional (Levy, 1998,  Unesco, 1998 e 2006, Castells, 2005) respondendo em parte ao uso intensivo da internet para dar suporte às universidades existentes ou novas que se desterritorializam no ciberespaço.

A Universidade Aberta é uma instituição e uma modalidade de educação que organiza a oferta do ensino superior com a finalidade de expandir o acesso para todas as pessoas interessadas, especialmente o setores menos favorecidos pelas politicas públicas. A Open University do Reino Unido (1969) foi a primeira universidade mundial com a finalidade única de oferecer educação superior aberta, na modalidade a distância, para a classe trabalhadora. A educação aberta a distância é legitimada social e historicamente ao atender pessoas com dificuldades para assistir aulas presenciais ou àquelas que não tiveram ou lhe negaram a possibilidade de acesso á educação superior.

Aberta á heterogeneidade, á diversidade de pensamento, a outras temáticas e metodologias, a universidade aberta caracteriza-se por promover a possibilidade de estudo universitário para pessoas provenientes de qualquer classe social, em qualquer local, utilizando-se intensivamente de sistemas didáticos impressos, audiovisuais e telemáticos, individualizados ou grupais. Esta modalidade de educação exige autonomia e autodisciplina do estudante que busca conhecimento e quer um diploma. Os estudantes a procuram para atingir uma titulação similar á que seria obtida nas universidades tracionais e/ou para atingir formações especificas que lhe permitam ingressar ou manter-se no mercado professional.

Desenvolvida com diversos procedimentos didático- pedagógicos, a universidade aberta surge de um movimento mundial, industrialista, ocorrido na década dos anos sessenta e setenta. Na sua proposta pedagógica, considera-se a elaboração de material didático em texto impresso, em audio, em vídeo, em vídeo-aulas, em programas e transmissões radiofônicas e da internet. A correspondência tradicional, as ondas do radio, as vídeo-aulas, a televisão, também são empregados nos cursos regulares ou pontuais, nos seminários e nos cursos on-line, entre outros. Hoje, com o movimento Budapest Open Access Initiative e o Creative Commons, se abre também a outros modos de pensar, fazer e difundir a ciência.

A avaliação da educação aberta atende à proposta pedagógica e metodológica adotada pela universidade e é até agora é supervisionada pelas instancias governamentais de ensino.

As universidades abertas públicas ou privadas respondem a uma legislação nacional, a um projeto pedagógico e metodológico especifico e observam as orientações de organismos nacionais e internacionais.

Com finalidade única ou com finalidade dupla, (presencial-virtual) a universidade virtual é um desafio para o mundo acadêmico atual que se preocupa com o ensino, a pesquisa e a extensão/difusão do conhecimento. Numa perspectiva critica a universidade aberta considera todos os saberes das pessoas, independentemente dos lugares de sua elaboração e enunciação. Seria uma universidade que se sustenta na colaboração global buscando a cooperação e a interconexão entre docentes, aluno, sistemas e e outros interlocutores pedagógicos. Existe em mim certa tendência de buscar nos princípios da educação popular e da educação em rede a sua sustentação pedagógica.

 Referências
BUDAPEST Open Access Initiative. Disponível em: http://www.opensocietyfoundations.org/openaccess
CASTELLS, M. A sociedade em rede. Tradução Roneide Venâncio Majer, 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.
CREATIVE Commons, Brasil. Disponível em: http://creativecommons.org.br/
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido, 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra,1987.[1.ed.1970]
GOMEZ, M. V. Educación a distancia y cátedras libres: reflexionando sobre emergentes en el contexto de la educación latinoamericana. In. Torres, C.A. (org.) Paulo Freire y la agenda de la educación latinoamericana en el siglo XXI. Buenos Aires: CLACSO, 2000. Disponível em: http://www.clacso.org/wwwclacso/ espanol/ html/libros/torres/torres.html  Acesso 12 dez 2012.
GOMEZ, M.V. Educação em rede. São Paulo: Cortez/IFP, 2004.
LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática, Carlos Irineu da Costa (trad.), Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.
OILO, Didier. Do tradicional ao virtual: As novas tecnologias da informação. Paris: Ed-98. Doc. Unesco,1998. [versão em espanhol]
OPEN University. Disponível em http://www.open.ac.uk/ Acesso em 28 dez.2012.
ROYAL Society Science Policy Centre. Science as an open enterprise. report 02/12. Issued: June 2012 DES24782. Disponível em: http://royalsociety.org/policy/projects/science-public-enterprise/report/
UNESCO, Virtual university. 2006.

Publicado em Educação em rede uma visão emancipadora, Educational Networking | 4 Comentários

Eu tenho um sonho – I have a dream… Martin Luther King Jr.

Eu tenho um sonho I have a dream…
Martin Luther King Jr.

Eu estou contente em unir-me com vocês no dia que entrará para a história como a maior demonstração pela liberdade na história de nossa nação.

Cem anos atrás, um grande americano, na qual estamos sob sua simbólica sombra, assinou a Proclamação de Emancipação. Esse importante decreto veio como um grande farol de esperança para milhões de escravos negros que tinham murchados nas chamas da injustiça. Ele veio como uma alvorada para terminar a longa noite de seus cativeiros. Mas cem anos depois, o Negro ainda não é livre. Cem anos depois, a vida do Negro ainda é tristemente inválida pelas algemas da segregação e as cadeias de discriminação. Cem anos depois, o Negro vive em uma ilha só de pobreza no meio de um vasto oceano de prosperidade material. Cem anos depois, o Negro ainda adoece nos cantos da sociedade americana e se encontram exilados em sua própria terra. Assim, nós viemos aqui hoje para dramatizar sua vergonhosa condição.

De certo modo, nós viemos à capital de nossa nação para trocar um cheque. Quando os arquitetos de nossa república escreveram as magníficas palavras da Constituição e a Declaração da Independência, eles estavam assinando uma nota promissória para a qual todo americano seria seu herdeiro. Esta nota era uma promessa que todos os homens, sim, os homens negros, como também os homens brancos, teriam garantidos os direitos inalienáveis de vida, liberdade e a busca da felicidade. Hoje é óbvio que aquela América não apresentou esta nota promissória. Em vez de honrar esta obrigação sagrada, a América deu para o povo negro um cheque sem fundo, um cheque que voltou marcado com “fundos insuficientes”.

Mas nós nos recusamos a acreditar que o banco da justiça é falível. Nós nos recusamos a acreditar que há capitais insuficientes de oportunidade nesta nação.

Assim nós viemos trocar este cheque, um cheque que nos dará o direito de reclamar as riquezas de liberdade e a segurança da justiça.

Nós também viemos para recordar à América dessa cruel urgência. Este não é o momento para descansar no luxo refrescante ou tomar o remédio tranqüilizante do gradualismo. Agora é o tempo para transformar em realidade as promessas de democracia. Agora é o tempo para subir do vale das trevas da segregação ao caminho iluminado pelo sol da justiça racial. Agora é o tempo para erguer nossa nação das areias movediças da injustiça racial para a pedra sólida da fraternidade. Agora é o tempo para fazer da justiça uma realidade para todos os filhos de Deus. Seria fatal para a nação negligenciar a urgência desse momento. Este verão sufocante do legítimo descontentamento dos Negros não passará até termos um renovador outono de liberdade e igualdade. Este ano de 1963 não é um fim, mas um começo. Esses que esperam que o Negro agora estará contente, terão um violento despertar se a nação votar aos negócios de sempre .

Mas há algo que eu tenho que dizer ao meu povo que se dirige ao portal que conduz ao palácio da justiça. No processo de conquistar nosso legítimo direito, nós não devemos ser culpados de ações de injustiças. Não vamos satisfazer nossa sede de liberdade bebendo da xícara da amargura e do ódio. Nós sempre temos que conduzir nossa luta num alto nível de dignidade e disciplina. Nós não devemos permitir que nosso criativo protesto se degenere em violência física. Novamente e novamente nós temos que subir às majestosas alturas da reunião da força física com a força de alma. Nossa nova e maravilhosa combatividade mostrou à comunidade negra que não devemos ter uma desconfiança para com todas as pessoas brancas, para muitos de nossos irmãos brancos, como comprovamos pela presença deles aqui hoje, vieram entender que o destino deles é amarrado ao nosso destino. Eles vieram perceber que a liberdade deles é ligada indissoluvelmente a nossa liberdade. Nós não podemos caminhar só.

E como nós caminhamos, nós temos que fazer a promessa que nós sempre marcharemos à frente. Nós não podemos retroceder. Há esses que estão perguntando para os devotos dos direitos civis, “Quando vocês estarão satisfeitos?” Nós nunca estaremos satisfeitos enquanto o Negro for vítima dos horrores indizíveis da brutalidade policial. Nós nunca estaremos satisfeitos enquanto nossos corpos, pesados com a fadiga da viagem, não poderem ter hospedagem nos motéis das estradas e os hotéis das cidades. Nós não estaremos satisfeitos enquanto um Negro não puder votar no Mississipi e um Negro em Nova Iorque acreditar que ele não tem motivo para votar. Não, não, nós não estamos satisfeitos e nós não estaremos satisfeitos até que a justiça e a retidão rolem abaixo como águas de uma poderosa correnteza.

Eu não esqueci que alguns de você vieram até aqui após grandes testes e sofrimentos. Alguns de você vieram recentemente de celas estreitas das prisões. Alguns de vocês vieram de áreas onde sua busca pela liberdade lhe deixaram marcas pelas tempestades das perseguições e pelos ventos de brutalidade policial. Você são o veteranos do sofrimento. Continuem trabalhando com a fé que sofrimento imerecido é redentor. Voltem para o Mississippi, voltem para o Alabama, voltem para a Carolina do Sul, voltem para a Geórgia, voltem para Louisiana, voltem para as ruas sujas e guetos de nossas cidades do norte, sabendo que de alguma maneira esta situação pode e será mudada. Não se deixe caiar no vale de desespero.

Eu digo a você hoje, meus amigos, que embora nós enfrentemos as dificuldades de hoje e amanhã. Eu ainda tenho um sonho. É um sonho profundamente enraizado no sonho americano.

Eu tenho um sonho que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de sua crença – nós celebraremos estas verdades e elas serão claras para todos, que os homens são criados iguais.

Eu tenho um sonho que um dia nas colinas vermelhas da Geórgia os filhos dos descendentes de escravos e os filhos dos desdentes dos donos de escravos poderão se sentar junto à mesa da fraternidade.

Eu tenho um sonho que um dia, até mesmo no estado de Mississippi, um estado que transpira com o calor da injustiça, que transpira com o calor de opressão, será transformado em um oásis de liberdade e justiça.

Eu tenho um sonho que minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter.

Eu tenho um sonho hoje! Eu tenho um sonho que um dia, no Alabama, com seus racistas malignos, com seu governador que tem os lábios gotejando palavras de intervenção e negação; nesse justo dia no Alabama meninos negros e meninas negras poderão unir as mãos com meninos brancos e meninas brancas como irmãs e irmãos.

Eu tenho um sonho hoje! Eu tenho um sonho que um dia todo vale será exaltado, e todas as colinas e montanhas virão abaixo, os lugares ásperos serão aplainados e os lugares tortuosos serão endireitados e a glória do Senhor será revelada e toda a carne estará junta.

Esta é nossa esperança. Esta é a fé com que regressarei para o Sul. Com esta fé nós poderemos cortar da montanha do desespero uma pedra de esperança. Com esta fé nós poderemos transformar as discórdias estridentes de nossa nação em uma bela sinfonia de fraternidade. Com esta fé nós poderemos trabalhar juntos, rezar juntos, lutar juntos, para ir encarcerar juntos, defender liberdade juntos, e quem sabe nós seremos um dia livre. Este será o dia, este será o dia quando todas as crianças de Deus poderão cantar com um novo significado.

“Meu país, doce terra de liberdade, eu te canto.
Terra onde meus pais morreram, terra do orgulho dos peregrinos,
De qualquer lado da montanha, ouço o sino da liberdade!”
E se a América é uma grande nação, isto tem que se tornar verdadeiro.
E assim ouvirei o sino da liberdade no extraordinário topo da montanha de New Hampshire.
Ouvirei o sino da liberdade nas poderosas montanhas poderosas de Nova York.
Ouvirei o sino da liberdade nos engrandecidos Alleghenies da Pennsylvania.
Ouvirei o sino da liberdade nas montanhas cobertas de neve Rockies do Colorado. Ouvirei o sino da liberdade nas ladeiras curvas da Califórnia.
Mas não é só isso. Ouvirei o sino da liberdade na Montanha de Pedra da Geórgia.
Ouvirei o sino da liberdade na Montanha de Vigilância do Tennessee.
Ouvirei o sino da liberdade em todas as colinas do Mississipi.
Em todas as montanhas, ouviu o sino da liberdade.

E quando isto acontecer, quando nós permitimos o sino da liberdade soar, quando nós deixarmos ele soar em toda moradia e todo vilarejo, em todo estado e em toda cidade, nós poderemos acelerar aquele dia quando todas as crianças de Deus, homens pretos e homens brancos, judeus e gentios, protestantes e católicos, poderão unir mãos e cantar nas palavras do velho spiritual negro: “Livre afinal, livre afinal.

Agradeço ao Deus todo-poderoso, nós somos livres afinal.”

Nota | Publicado em por | Deixe um comentário

Circle of culture in the virtual sphere

Matissedance

Dance – Matisse – Wiki

I like the circle, its fluidity, the absence of rigid angles and limits, its round, its soft forms, the way it always continues and welcomes. I like the circles we do together, those of friends, readers, those of colleagues, family and loved ones. And the ovals and the spirals, and the symbol of the infinite. And the round tables with their absence of hierarchies and superiors, thus egalitarian and open to different opinions in a climate of peace. It would fill the world of circles in place of the squares of the mind, the very sharp triangles, and the trapezoids of those that we sometimes can not dispel. (Parga L Jimenez, February 26/16 · in oportunitty of the circle of culture -coordinated by Margarita V Gomez-  held at the University of Guadalajara, Mexico, )

Nota | Publicado em por | 2 Comentários

Tarefa da educação democrática

brenan3“Aí está uma das tarefas da educação democrática e popular, da Pedagogia da esperança – a de possibilitar nas classes populares o desenvolvimento de sua linguagem, jamais pelo blablablá autoritário e sectário dos “educadores”, de sua linguagem, que, emergindo da e voltando-se sobre sua realidade, perfile as conjecturas, os desenhos, as antecipações do mundo novo. Está aqui uma das questões centrais da educação popular – a da linguagem como caminho de invenção da cidadania.” (Freire, 2000, p. 17)

Nota | Publicado em por | Deixe um comentário

Dia internacional da educação – Declaração de Dakar – Educação para todos (2000-2015)

Matissedance

Dance – Matisse – Wiki

28 de abril, declarado o dia internacional da educação, ainda por celebrar plenamente. Conforme os Dakar Framework of Action, “Comprometemo-nos a atingir os seguintes objetivos:

I. expandir e melhorar o cuidado e a Educação da criança pequena, especialmente das mais vulneráveis e em maior desvantagem;
II. assegurar que todas as crianças, com ênfase especial nas meninas e nas crianças em circunstâncias difíceis e pertencentes a minorias étnicas, tenham acesso à Educação primária, obrigatória, gratuita e de boa qualidade até o ano 2015;
III. assegurar que as necessidades de aprendizagem de todos os jovens e adultos sejam atendidas pelo acesso eqüitativo à aprendizagem apropriada e às habilidades para a vida;
IV. alcançar uma melhoria de 50% nos níveis de alfabetização de adultos até 2015, especialmente para as mulheres, e acesso eqüitativo à educação básica e continuada para todos os adultos;
V. eliminar disparidades de gênero na educação primária e secundária até 2005 e alcançar a igualdade de gênero na educação até 2015, com enfoque na garantia ao acesso e o desempenho pleno e eqüitativo de meninas na educação básica de boa qualidade;
VI. melhorar todos os aspectos da qualidade da educação e assegurar excelência para todos, de forma a garantir a todos resultados reconhecidos e mensuráveis, especialmente na alfabetização, matemática e habilidades essenciais à vida.”

Veja, em anexo, a Declaração de Dakar>

Nota | Publicado em por | Deixe um comentário

Dia mundial do livro (World book day!

educacion en redEm comemoração do Dia mundial do livro (World book day!), do nosso companheiro em tempo de pandemia ! celebramos a data com um tributo a todos os escritores e leitores e compartilhamos o nosso livro “Educación en red: una visión emancipadora para la formación”

Boa Leitura!
Margarita

Nota | Publicado em por | Deixe um comentário

Salud como una cuestión de educación pública y educación pública como una cuestión de salud.

kinchil

Fancy savanna style location map of Kinchil, highlighted country, in context of entire country.

En esta  re-publicación de este Blog se encuentran importantes elementos para entender la salud de la gente como una cuestión de educación pública y a la educación pública como una cuestión de salud.

“Como educadora, creo que esta investigación nos muestra que cultura, educación y salud se procesan juntas en los movimientos sociales que buscan ser democráticos. Los investigadores, el antropólogo Sergio Lerín Piñón (Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social) y Clara Juárez Ramírez (Instituto Nacional de Salud Pública) a partir de analizar la situación social y cultural de los diabéticos, hacen una lectura e investigación innovadora que puede contribuir con los servicios y sistemas de salud pública.”

En tiempo de cuarentena recomendamos nuevamente la lectura en el siguinte Link: https://pedagogiadavirtualidade.wordpress.com/2016/07/15/educacion-popular-en-salud-narrativas-de-kinchilenos-con-diabetes/

Nota | Publicado em por | Marcado com | 3 Comentários

Jequitibás, eucaliptos e rizoma: a busca pelo sossego para aprender

comemoração 7 anos “Nas práticas educacionais, o professor, ao ter que lidar e compreender este universo [digital], depara-se com os imperativos da cibercultura e procura a relação e a participação pela conexão, utilizando-se da tecnologia, da formação de comunidades, modulando a velocidade e a vertiginosidade, para conseguir o sossego e a calma dos estudantes para aprender.

A comunidade de aprendizagem em rede, como um rizoma, abre-se em múltiplas conexões, nas heterogeneidades e nas diferenças para produzir. Em nossa atuação como educadora não queremos exercer lógicas verticais, ‘eucalípticas’ e sim lógicas de sentido rizomáticas que deixem circular os saberes e as coisas.

Concordamos com Ruben Alves quando nos leva à reflexão epistemológica acerca do que realmente queremos para a educação: “É bem verdade que é possível plantar eucaliptos, essa raça sem vergonha que cresce depressa, para substituir as velhas árvores seculares que ninguém viu nascer nem plantou. Para certos gostos, fica até mais bonito: todos enfileirados, em permanente posição de sentido, preparados para o corte. E para o lucro.”
Como diz Alves, talvez seja necessário acordar o professor para instaurar novos mundos e uma maneira de fazer isso é, em tempos violentos e vertiginosos, buscar o sossego e a calma no processo educacional.”
Fonte.

Nota | Publicado em por | Deixe um comentário

Neusa Dias de Macedo… “mais cedo ou mais tarde”

biblio

Neusa Dias de Macedo

Foto Senac

“Mais cedo ou mais tarde”…ela gostava de brincar com essa expressão … Neusa Dias de Macedo (ECA/USP) hoje fez a passagem e continuará presente… Ela era uma mulher que gostava muito de gatos, acreditava na leitura e na importância da biblioteca escolar atendida por professionais bibliotecários nas escolas brasileiras. Acreditava no poder da biblioteca pública para a cultura leitora e a educação das pessoas – crianças, jovens e adultos-. Pioneira, se ocupou de levar formação e orientações para o desenvolvimento do curso de Biblioteconomia da Universidade de São Paulo. Fez a tradução das orientações da IFLA para a biblioteca escolar  e lutou pela Lei 12.244/10, que dispõe a implementação, até maio de 2020, nas instituições de ensino públicas e particulares, de bibliotecas e de bibliotecários; lei que foi sancionada no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 25 de maio de 2010. Ou seja, ela não viveu para ver isso feito realidade mas, sem dúvidas, foi significativa a sua contribuição para a biblioteconomia.

Os nossos sentimentos à família.

Até sempre professora Neusa! QPD.

Nota | Publicado em por | Marcado com | Deixe um comentário